02 junho 2011

Ministro da Defesa admite que as Fronteiras são Frágeis


O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse à BBC Brasil que é necessário "fazer alguns ajustes na fronteira" do Brasil com Colômbia, Bolívia e Peru para combater a entrada do tráfico de drogas no território brasileiro.
As declarações de Jobim foram feitas durante sua viagem à Buenos Aires, na última semana, para participar da inauguração do CEED (Centro de Estudos Estratégicos de Defesa), do União Sul-Americana de Nações (Conselho de Defesa da Unasul).
Segundo o ministro, os traficantes de drogas têm utilizado com mais frequência os rios e estradas que ligam o Brasil a seus vizinhos no continente.
 - Eles têm usado mais a ligação fluvial do que as pistas clandestinas de avião.
Jobim viajará no dia 24 de junho para a Colômbia, junto com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para reuniões com autoridades colombianas em que serão definidas "operações conjuntas" na fronteira entre os países.
 - Precisamos ampliar nossa área de combate ao tráfico de drogas e aumentar a vigilância da Cabeça do Cachorro para baixo.
A região conhecida como Cabeça do Cachorro fica no Estado do Amazonas, na fronteira com a Colômbia.

Ações coordenadas
O ministro disse ainda que, do lado brasileiro, as ações serão coordenadas entre o Exército, a Força Nacional, a Polícia Federal e a Policia Rodoviária Federal.
 - Na Colômbia, o combate ao tráfico faz parte dos trabalhos do Exército. E nós vamos atuar conjuntamente.
Ele destacou que, do encontro, sairá um "modelo de ação" que o Brasil vai propor também às autoridades da Bolívia e do Peru, em reuniões que ainda serão agendadas.
 - No caso da Bolívia e do Peru, atuaremos, principalmente, com a Polícia Federal.
De acordo com Jobim, o número dos pelotões no lado brasileiro das fronteiras será ampliado de 24 para 49 nos próximos meses. Cada pelotão tem pelo menos 90 soldados.
 Segundo dados recentes da Polícia Federal, a entrada da cocaína boliviana aumentou no Brasil.
 - O Brasil passou a ser corredor da cocaína boliviana, que é definida pelos especialistas como de péssima qualidade. Esse assunto virou questão de polícia e de saúde pública também.
Em uma palestra recente em Bogotá, o professor Alejandro Gavíria, da Faculdade de Economia da Universidade De los Andes, disse que a produção de cocaína está caindo na Colômbia, mas que o país voltou a ser "passagem" da droga dos países vizinhos para outros países.
 - Na guerra contra o narcotráfico, a vitória nunca é definitiva. A produção da folha da coca voltou a ser intensificada na Bolívia e no Peru e caiu na Colômbia. Mas a Colômbia voltou a ser terreno forte para o trafico.
Gavíria afirmou ainda que a logística do tráfico ficou mais sofisticada nos últimos tempos. A prova disso foi a apreensão de um submarino que levaria cocaína para o México.
 - Se nós, latinos, não assumirmos esse problema conjuntamente, será muito difícil.
Colômbia e Peru são considerados pela ONU (Organização das Nações Unidas) como os dois maiores produtores de cocaína do mundo com, respectivamente, 410 toneladas e 300 toneladas produzidas em 2010.
Fonte: R7

11 comentários:

  1. O plano é utilizar o contingente das Forças Armadas que já estão lotados na áreas fronteiriças, cerca de 40.000 homens entre Exército, Marinha e Aeronáutica, junto com o contingente da Polícia Federal, que deverá ser aumentado nos próximos anos, para garantir a presença do governo ao longo de toda a fronteira.( Tudo isso com o dinheiro dos impostos que pagamos.....haja dinheiro)
    Com toda sinceridade, não acho que tantos mil homens ira resolver o trafico.
    O trafico tem 1milhão de vezes esta quantidade de pessoas envolvidas direta ou indiretamente.
    Humanamente falando acho que esta guerra esta perdida há muito tempo.
    Temos que mudar nossa cabeça pequena, as pessoas tem que mudar, as vezes temos que tomar atitudes. Se pensarmos de forma diferente mudaremos esta situação.

    ResponderExcluir
  2. Realmente Sampaio. isso não vai acabar, mas se pudermos evitar a morte de algumas pessoas dessa maneira, então, que assim seja.

    ResponderExcluir
  3. Tomara né Rê. Se depender da pressão que a mídia tem feito a Dilminha vai ter que ligar pra Miriam e botar pressão rsrsrs.

    ResponderExcluir
  4. Esta com razão não tinha pensado neste ponto de vista...Quanto vale uma vida?

    ResponderExcluir
  5. Tenho um plano porque não fabrica uma droga com as mesmas características de uma verdadeira, mais sem efeito (um placebo). Talvez o interesse pela sua procura diminuiria.
    Estou escrevendo um livro sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  6. Mega planos de combate ao tráfico, defesa da fronteira, etc., e um corte de 50 bilhões do Orçamento? Sendo mais de 2,5 bilhões cortados só do Ministério da Justiça? De discursos retólicos viveu Roma até cair...

    ResponderExcluir
  7. Acho que uma boa solução é deixemos os americanos tomarem conta da Amazônia... eles têm pessoal, material, meios, dinheiro e muito interesse naquela área. Daí a gente resolve boa parte dos poblemas com nossas fronteiras, né.

    : )

    Sinceramente!

    Moça, tô com saudades.

    ResponderExcluir
  8. Não acho que isso irá surtir efeito Sampaio. A procura pela droga é justamente pelo efeito que causa, o que mudaria é que eles iriam em busca de outra droga ou outro vendedor.

    ResponderExcluir
  9. Edu realmente...essa conversa fiada toda já encheu nosso saco, mas isso é por que procuramos noticias sobre o assunto diariamente. Nesse caso, um reconhecimento desses vem da pressão que a mídia tem exercido sob o governo nesse ponto de vista. Desta maneira, as informações que para nós são mais que conhecidas, estão chegando à comunidade leiga, que passou a ter ciência da questão. Isso caro amigo, é botar pressão de baixo para cima. Quem quer apostar que esse ano ainda sai um edital pra PF?

    ResponderExcluir
  10. É lindona, como já cantavam os Titans "nós não vamo pagá nada é tudo free, vamo embora dar lugar pros gringo entrar, que esse imóvel ta pra alugar".

    Mas acho que é um ciclo vicioso. Semana passada assassinaram dois ambientalistas que denunciavam a exploração ilegal de madeira no Pará. Esse tipo de coisa só vai mudar quando o Brasil tiver educação, pois sem conhecimento não se vota com consciência.

    Saudades aqui é M.A.T.O! Vc sumiu demais...que isso?

    Bjos!

    ResponderExcluir