02 março 2011

Delegado da PF diz que, em Tabatinga, quem não traficou 'um dia vai traficar'

NOTA DA MARI:

Essa notícia é de 2008, entretanto, como vocês irão perceber, a realidade é atual e está cada vez mais grave.


A presença de guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Brasil não é visível, mas os efeitos de suas ações refletem no cotidiano dos brasileiros em Tabatinga (AM), que fica na fronteira com a Colômbia e o Peru. A entrada de pasta base de cocaína no país é feita por Tabatinga, segundo a Polícia Federal, e o grande fluxo da droga faz com que o consumo da cocaína seja intenso na cidade.

“Quem não traficou, um dia, vai traficar droga em Tabatinga. Só neste ano (2008) já apreendemos cerca de 200 kg de pasta base de cocaína” (isso daria pra fabricar 600kg de cocaína), disse Eduardo Primo da Silva, delegado subchefe da Polícia Federal em Tabatinga. No ano passado, a PF apreendeu 1,5 tonelada da droga na cidade.

Na madrugada deste domingo (9), seis pessoas foram presas, em flagrante, sob suspeita de tráfico internacional de drogas. A cocaína, que ainda seria pesada ao longo do dia, estava escondida em embarcações conhecidas na região como recreio. Os traficantes foram descobertos durante uma ação de fiscalização no Rio Solimões.

Segundo informações da PF, a droga saiu do Peru e foi transportada por um grupo contratado por colombianos. “Essa é a rota usada pelas Farc para distribuir cocaína pelo Brasil”, disse Primo.

O delegado disse ter identificado que a droga entra em território brasileiro por meio de embarcações. “O problema é justamente encontrar a embarcação com a pasta base de cocaína. Imagina um barco com mais cem pessoas. Como vamos revistar um a um e ainda checar toda a bagagem?", questiona.

Primo afirmou que os policiais federais fazem operações constantes para localizar os traficantes e a droga. “Sabemos que apreendemos muito pouco. Não conseguimos mensurar o quanto de cocaína entra no país por Tabatinga, mas o que a PF apreende ainda é a menor parte do fluxo todo.”

Matadores de aluguel

O número de homicídios relacionados ao tráfico de drogas é crescente em Tabatinga, segundo o delegado. Uma das razões, na avaliação de Primo, é a quantidade de policiais civis e militares.

Ele faz uma comparação com o total de policiais em Letícia, a cidade colombiana do outro lado da fronteira. “A polícia de Letícia tem um efetivo de 450 homens para 40 mil habitantes. Em Tabatinga, são pouco mais de 40 policiais para 45 mil habitantes. É muito pouco”, disse.

Como resultado, segundo ele, Tabatinga registrou um índice de cem mortes para cada mil habitantes em 2007. O número seria maior, segundo Primo, se fossem contadas mortes fora da área urbana.

"Não há problemas de bala perdida. São crimes 'de mando'. Quem mata sabe quem tem de matar e só atira na cabeça”, disse Primo.

Para cometer os homicídios, os traficantes recrutam jovens menores de idade. “A faixa etária considerada ideal pelo tráfico varia de 15 a 25 anos, mas cada vez mais é possível notar que as crianças são chamadas para esse tipo de trabalho”, disse primo.

O delegado explicou ainda que os criminosos não temem a presença da polícia para cometer os assassinatos. “Se der, eles matam na nossa frente. Foi isso que aconteceu recentemente, quando um homem foi morto a tiros perto da sede da PF na cidade”, disse.

Um comentário:

  1. Esta gente só existe porque, por trás tem outra escória financiando (Via receptação, uso de drogas, etc), só que a 2a escória se julga superior, mentes doentes tão ou mais do que as dos traficantes. Querem matar, com a desculpa do custo que estes trazem a sociedade de "BEM", Mas na hora de usar drogas, Fraudar o IR....

    ResponderExcluir