10 fevereiro 2011

O homem por trás do Policiall!


Toda força policial é representada por 3 coisas em especial: seu emblema, seu distintivo e sua farda. Cada um tem uma forma, cor, símbolo e etc, mas há algo que todas têm em comum: Há um humano por trás desses símbolos.

Humano sim! Sempre que as pessoas pensam em policia, já vislumbram um troglodita com o pé na porta, ou o super-homem que prende 3 Fernandinho "Beira-mar" com uma mão nas costas. Há quem enxergue um homem gordo, de óculos escuros de mão estendida à espera do “$eu”. Mas a verdade é que poucos enxergam o humano que está por trás da farda. 

O humano que transpira, que sente medo, que 
na hora do embate pensa nos filhos em casa, que tem dor de barriga, dor de cabeça, fome e sangra quando atingido pelo inimigo.

Aquele que na hora do barata voa, do corre deita, sente o coração batendo forte nas artérias do pescoço e o gosto amargo da responsabilidade na boca, quando mira sua arma na direção de outro humano, que insiste em tentar lhe atingir.

O indivíduo que repete seus valores e juramentos na cabeça quando recolhe os milhares de reais que a policia apreendeu na casa de um traficante lembrado-se de sua função ali, ainda que ciente de que  suas contas 
em casa estão atrasadas e, por isso, aquela viagem de férias não vai rolar.

O policial se cansa, se frustra, se irrita, chora, sofre, tem virose, tem fadiga e ainda por cima, carrega nos ombros a responsabilidade de ser policial, que tem a desvantagem de lidar com crimes horrendos. Cruza com criminosos que os levam a desacreditar na humanidade e a desejar fazer justiça com as próprias mãos. Mas mesmo assim, sabem que são todos igualmente humanos, portanto devem levar os animais para o juiz dar a sentença, mesmo sabendo que muitos não serão condenados.

Para as pessoas comuns a policia é uma farda, um distintivo, um símbolo, não vêm que Ela é feita de pessoas. Para a maioria, o policial é uma “coisa” que não dorme, não come e não tem medo e nem amor por nada. É bem verdade que existem sim, os policiais que não são dignos de vestir a farda, mas não são a maioria e, acima de tudo, não são só policiais, são HUMANOS antes de mais nada.

Quando um humano fardado comete um delito, a noticia no jornal não fala do indivíduo, fala da corporação, como se aquele ser fosse representante de toda uma instituição e suas ações refletissem a hombridade e caráter do órgão. 

A pessoa veste a farda, não o contrário! Um símbolo não faz ninguém mais ou menos humano e também não nos torna imortais.

Admiro e respeito o humano que existe por de trás da farda!



"Se queres conhecer o verdadeiro caráter de um homem dê-lhe poder." A. Lincon

Nenhum comentário:

Postar um comentário