19 novembro 2010

Segue o LUTO


Várias vezes eu tive que ir lá atrás puxar o afogador e rezar para o motor do barco pegar depois de uma abordagem e algumas vezes pensei comigo mesmo: "se um dia tivermos que trocar tiros, estaremos encrencados nesse barquinho de lata". 
E a rotina seguiu, o tempo passou rápido e no mês de novembro fui obrigado a ficar no plantão. A maioria aqui não gosta de plantão, então nós revezamos, todo mês as duplas de plantonistas mudam. Lembro que uma vez o YAMAGUTI disse em tom de brincadeira: "o melhor lugar pra trabalhar é no plantão, estudando pra outro concurso nas folgas". O que se faz lá é basicamente carimbar passaporte de gringo e receber telefonemas, é no esquema de 24/72, ou seja trabalha 24h e folga 72. Estou aqui escrevendo porque estou de folga. Trabalhei quarta-feira o dia todo e fiquei na delegacia durante a noite. Nessa noite já estava no meu colchão, na sala ao lado, tentando dormir um pouco quando o telefone tocou às 3h30m da manhã, quem atendeu foi meu colega de plantão. Ouvi ele dizer: "o APF LOBO e o YAMAGUTI? Tem certeza?" Mais tarde ele me disse, já com lágrimas nos olhos "Nosso YAMA morreu cara!" 
Infelizmente também foi aqui que, pela primeira vez desde a minha infância, eu chorei na frente de outras pessoas. Também ví marmanjos "bombados" chorando como criança, é uma imagem que não se apaga da memória. 
Mais tarde falei com meu pai no telefone e ele disse: "melhor ganhar mil por mês aqui em casa do que sete mil aí". Assim, também pela primeira vez, eu pensei em desistir de ser policial federal.
 Também gostaria de dizer algumas coisas: 
-O APF LOBO tem o mais profundo respeito e admiração de todos os colegas da região. No entanto ele costumava dizer brincando: "sou lotado no corredor". Ele era da DRE, mas foi transferido pra uma salinha cubículo, na verdade um depósito, porque também mexeu com o ego de algum peixe grande. 
-Eles podem alegar que não têm dinheiro pra comprar uma lancha blindada mas eu afirmo que têm dinheiro pra manter um colega que é lotado em tabatinga durante vários meses em Manaus sem necessidade. Esse colega tem família em Manaus e está lá recebendo diárias desde antes de eu chegar aqui. Não posso afirmar nada com certeza mas me parece coisa de quem se dá muito, mas muito bem com os peixes grandes. Garanto que não falta mão de obra em Manaus e será que 7000 por mês não paga uma lancha que preste? 
-Suponhamos que a vida humana não valha nada, analisando apenas a parte financeira: só o curso de formação básico já custa uns 40.000 por agente. O LOBO tinha um currículo enorme com cursos inclusive no exterior. A união vai ter que pagar pensão vitalícia pra família mesmo sem a presença desse excelente profissional na PF. Quanto será que vale a pena investir pra proteger esse patrimônio humano?
 -Me falaram que alguns dos nossos chefões circulam por aí em luxuosos carros blindados. Não sei se é verdade mas que eu vi uns carrões bem luxuosos na SR de Manaus, eu vi! 
-Colega falou que uma vez o DG veio a tabatinga e pediu pro pessoal colocar num papal o que faltava por aqui. O Colega colocou: coletes com chapa metálica, estande de tiro e lanchas blindadas. Isso foi à anos atrás. Ainda temos coletes vencidos, estande emprestado do exército e lanchas que nos deixam à deriva no rio, esperando por socorro. 
-Na academia de polícia era clara a extrema preocupação dos chefões com tudo o que o chefe dos chefões ia ver e com o que ia ser fotografado e filmado. A formação tinha que ser perfeita, o hino tinha que ser cantado bem alto, tudo pro chefe dos chefões ver depois e ficar orgulhoso dos seus subordinados. Contestadores eram uma abominação da natureza, todos deveriam obedecer aos chefes sem hesitação. 
-Frase dita pelo APF LOBO pra mim sobre o fato de ele ser lotado no corredor: "até a punição deles é medíocre". Isso lembra muito a minha academia e de como tentaram me linchar moralmente por criticar o trabalho do temível e impecável "COREC".

Texto publicado pelo APF Sulfurize no fórum do CW.

4 comentários:

  1. "Na academia de polícia era clara a extrema preocupação dos chefões com tudo o que o chefe dos chefões ia ver e com o que ia ser fotografado e filmado. A formação tinha que ser perfeita, o hino tinha que ser cantado bem alto, tudo pro chefe dos chefões ver depois e ficar orgulhoso dos seus subordinados. Contestadores eram uma abominação da natureza, todos deveriam obedecer aos chefes sem hesitação".

    Para o chefe dos chefões e para os chefões infelizmente é só isto que importa. Chega a dar raiva um negócio desses,é só poder e dinheiro que o ser humano se preocupa.

    PS: Grande texto do APF,chega até a emocionar,só os caras sabem pelo que passam dia após dia.

    ResponderExcluir
  2. A morte dos federais e a “zona de conforto”

    Semana passada, pensei escrever sobre uma “zona de conforto” que existe na política, onde transitam os que não correm riscos, os que não se expõem, os que marcam posição como desencargo de consciência e não com verdadeiro e obcecado desejo de mudança.

    A morte dos agentes da Polícia Federal, entre eles o agente Mauro Lobo, um dos mais preparados, corajosos e dedicados policiais federais que o Amazonas já viu – nas palavras do meu irmão que, como delegado, foi seu chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da PF -, fez-me refletir sobre a “zona de conforto” que existe na vida de cada um de nós.

    São milhares de pessoas que escolheram permitir que o mundo permaneça como está. Tomado pelo crime, pela corrupção, pela violência. Que escolheram cuidar do seu “quadrado” e permitir que o mal perdure, desde que não chegue a sua porta ou a porta de sua família.

    Pessoas de bem, mas pessoas omissas. Que com sua omissão permitem que o mal se perpetue, permitem que os que transformam sua honestidade e sua indignação em ação consciente e transformadora padeçam como bobos isolados ou morram como heróis, deixando as suas famílias o sofrimento e a dor.

    Não são os honestos omissos, se é que existe honestidade verdadeira sem ação transformadora, que construirão um novo mundo de paz e solidariedade. Não são eles que acenderão as luzes do atual mundo das trevas. Essas luzes serão acessas pelos combatentes.

    É muito cômodo fazer-se honesto e indignado com as maldades do mundo de hoje, seja na política, na polícia, no judiciário ou onde quer que for, e agir sem incomodar, sem enfrentar verdadeiramente o que se combate, sem se expor ao contra-ataque do inimigo. É muito cômodo esperar que outros ajam, que outros se exponham, que outros morram. É muito cômodo ver o lutador encurralado e orgulhar-se por ele ter a coragem que você não tem, ou até criticá-lo diante da primeira ofensiva do inimigo.

    A decisão é sempre difícil. Pensamos nos nossos projetos pessoais, nos nossos filhos, nas nossas famílias. Mas e agora? Quem pensa na esposa, nos filhos e na família do agente Lobo? Ele morreu combatendo o tráfico. Morreu por nós, por nossos filhos, pela nossa família, pelos nossos valores. E amanhã, após choramos ou lamentarmos um pouco, voltaremos a nossa rotina na “zona de conforto”.

    Pior, alguns amanhã voltarão a fumar “socialmente” a sua maconha, a usar “socialmente” a sua cocaína, a conviver “socialmente” com pessoas sabidamente relacionadas ao tráfico e, ainda lamentando a morte do Lobo, comprarão suas porções e entregarão mais uma arma nas mãos dos que mataram.

    Na “zona de conforto” não há incômodo. A consciência vive tranqüila, a família não padece, os colegas não se afastam, os amigos proliferam, os riscos são mínimos. E outros morrem ou são perseguidos por nós.

    De nada vale a ética covarde, a honestidade omissa, a indignação passiva.

    Não somos culpados pela morte dos agentes da PF, mas o que faremos das nossas vidas para sermos dignos do sacrifício desses heróis que se foram?

    Que Deus possa confortar a família dos agentes e dar forças aos que seguem na PF para não vacilar no combate ao narcotráfico. Temos orgulhos de todos vocês, dos que se foram e dos permanecem na luta diária.

    Marcelo Ramos é vereador de Manaus e deputado estadual eleito

    fonte: http://diariodeumfuturopf.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Homenagem aos heróis

    http://www.fenapef.org.br/fenapef/noticia/index/30856

    ResponderExcluir
  4. PF prende 3 suspeitos da morte dos APF's Lobo e Matsunaga

    http://www.youtube.com/watch?v=csvSB4EmnfU&feature=channel

    ResponderExcluir