26 novembro 2010

A PF integra ações no Rio de Janeiro



Pelo menos 21 agentes do Estado integram missões em favelas do Rio de Janeiro
Grupo da PF embarca nesta noite. Policiais da PRF deixam o Estado no início da madrugada
Pelo menos 21 agentes com atuação no Estado integrarão as missões policiais realizadas em favelas na zona norte do Rio de Janeiro, em resposta a onda de ataques iniciadas no último domingo por criminosos. Os policiais integram os efetivos do Rio Grande do Sul da Polícia Federal (PF)  e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).
De acordo com a superintendência da PF,15 homens do Estado seguirão para o Estado fluminense. Eles fazem parte do Grupo de Pronta Intervenção (GPI) do Rio Grande do Sul. Nove deles embarcam às 19h30 em um voo da Tam. Três sairão de Brasília, onde participavam de cursos. Outros três atuam no interior e viajarão separados do grupo principal.
Os agentes se apresentarão nesta noite junto a PF do Rio de Janeiro. Conforme a polícia, eles ajudarão na contenção em áreas de risco, como no Complexo do Alemão, na zona norte da capital fluminense.
Atendendo pedido da direção da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Brasília, seis agentes que atuam no Estado também seão encaminhados ao  Rio de Janeiro. Eles deixam Porto Alegre no início da madrugada de sábado, em viaturas da corporação.
Segundo a PRF, os patrulheiros do Núcleo de Operações Especiais atuarão em barreiras montadas nas rodovias fluminenses. 
O GPI da PF do Rio Grande do Sul foi criado em agosto de 2009, com o objetivo de realizar ações policiais em situação de risco diferenciado, nas quais se exigem técnicas, táticas e equipamentos especiais. O treinamento é continuo e prepara os policiais para ocorrências de grande vulto e dificuldade. 
Os integrantes do grupo foram secionados e formados no Curso de Técnicas de Intervenção, ministrado no Comando de Operações Táticas (COT), em Brasília. Além disso, alguns policiais são enviados para treinamentos em outras unidades, como por exemplo o Curso de Ações Táticas do Bope no Rio de Janeiro. 

Fonte: Diário Catarinense.

Um comentário: