29 outubro 2010

Segue a Tormenta...


A Polícia Federal (PF) identificou duas novas fraudes em concursos da própria instituição para os cargos de agente e escrivão em 2001 e delegado e agente em 2004. As irregularidades foram descobertas durante o desdobramento das investigações da Operação Tormenta, iniciada em junho. Durante a ação, a PF prendeu uma quadrilha especializada em fraudar concursos que atuava há 16 anos. Os gabaritos e respostas eram vendidos por até R$ 270 mil.

De acordo com a PF, sete policiais que ingressaram nos quadros da corporação depois de terem acesso antecipado ao gabarito das provas foram identificados por softwares desenvolvidos por investigadores da polícia. Todos foram indiciados por crime de estelionato, e um deles, que está preso, também por formação de quadrilha. Eles deverão responder a processo administrativo-disciplinar que pode resultar em demissão.

A PF informou que o sistema criado para investigação das fraudes foi usado para buscar irregularidades em 75 concursos. Até agora, 248 pessoas foram interrogadas. As investigações relativas a irregularidades no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Polícia Federal já foram concluídas e enviadas ao Poder Judiciário.

Ainda estão em andamento as investigações referentes a outros concursos, como o da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o da Receita Federal. Dez pessoas continuam presas. A PF espera encerrar os inquéritos até o fim do ano.

2 comentários:

  1. É um câncer, uma praga!
    Rua neles, já!
    270.000?!?
    Que vergonha!

    ...

    ResponderExcluir
  2. Pois é gatona. Se ao invés de gastar dinheiro perdessem tempo estudando não teriam esse problema não é.

    Rua é pouco...eu quero ver resarcir a união dos gastos que teve com eles em todas as etapas do concurso e ainda se desculpar publicamente por ter usado levianamente a verba pública.

    ResponderExcluir