03 setembro 2010

POSSIBILIDADE DE CONCURSO EM 12/2010





Ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, em visita ao Rio de Janeiro na última quinta-feira, dia 26, o revelou que existe a expectativa de abertura de concurso para Delegado e Perito da Polícia Federal (PF) até dezembro deste ano. “esperamos que até o fim do ano seja autorizado um novo concurso para a polícia federal para delegados e peritos”, disse o titular da pasta a que o departamento é subordinado. Segundo Barreto, ainda não é possível informar sobre a oferta de vagas. “o número ainda não sabemos por que está sendo feito um cálculo técnico pela PF”.


O cargo de delegado tem como requisito o bacharelado em Direito, enquanto que a formação superior para se tornar perito do departamento deve ser em áreas específicas, a serem definidas. Nos dois casos é exigida ainda, a carteira de habilitação, na categoria B ou superior. Os vencimentos iniciais para ambos os cargos são de R$13.368,68.


No fim da tarde da última sexta-feira, dia 27, a diretoria de gestão de pessoal da PF, por meio da assessoria de imprensa do departamento, informou que o pedido do concurso está sendo elaborado e ainda será enviado ao ministério do planejamento. Alguns meses atrás, o Diretor Geral e a coordenação de recrutamento e seleção da PF, já haviam informado que “tem interesse em realizar concursos para o provimento de todos os cargos policial e administrativo”. Somente na área policial, a PF conta atualmente com cerca de 2.900 cargos vagos.


Entretanto, a coordenação preferiu demonstrar cautela ao informar sobre a previsão de novas seleções, dizendo que “não é possível afirmar” que haverá concurso, para quais cargos e nem para quantas vagas, já que tudo isso depende de autorização do Planejamento.


Por sua vez, o diretor de Gestão de Pessoal da PF, delegado Joaquim Mesquita, em diferentes oportunidades manifestou otimismo com relação à autorização dos pedidos de concursos, que já se encontram em análise no planejamento, para “papiloscopista” (100 vagas) e para “agente administrativo” (300 vagas). Inicialmente, Mesquita chegou a afirmar que a expectativa era de que as autorizações fossem concedidas e que os concursos fossem realizados AINDA ESSE ANO.


Durante a visita ao Rio, na última quinta, o ministro Luiz Paulo Barreto ressaltou ainda que há uma negociação permanente entre os ministérios da Justiça e do Planejamento para que a realização de concursos para a PF seja uma política constante.


Barreto afirmou que, nos últimos anos, o departamento contou com a ampliação do seu orçamento e do seu efetivo e que já existe um planejamento para que a recomposição do quadro se dê periodicamente. Temos um cronograma de recomposição do efetivo que vai permitir que de dois em dois anos haja um novo concurso.


O diretor de Gestão de Pessoal da PF, Joaquim Mesquita, já afirmou que espera poder contar com a permissão do planejamento para poder realizar o concurso tão logo seja possível. E mesmo que a seleção seja aberta até dezembro, conforme a expectativa inicial da PF, aqueles que estão próximos de concluir o ensino médio também poderão participar, pois a escolaridade só precisará ser comprovada no ato da posse, o que deve acontecer somente no ano que vem.


A última seleção realizada pela PF para a sua área de apoio aconteceu em 2004. Caso a corporação utilize o mesmo modelo de seleção daquela oportunidade, os candidatos a agente administrativo serão submetidos exclusivamente a provas objetivas, de Conhecimentos Gerais e de Conhecimentos Específicos.


O ministro da Justiça Luiz Paulo Barreto informou na última quinta, dia 26, que a pasta está negociando com o Planejamento também com relação a concurso para o quadro de da PF. Ele destacou a importância da área administrativa para liberar o policial de atividades burocráticas. “ela maximiza a aplicação da força policial como um todo. ela é importante e vai ser mantida no mesmo cronograma que o dos policiais”, disse Barreto, referindo-se a programação que, segundo ele, permitirá concursos a cada dois anos na PF.


a maior demanda é por “agentes”, como já admitiu o diretor de gestão de pessoal, Joaquim mesquita. Atualmente, há mais de 1.400 vagas no cargo. No caso de escrivão, são cerca de 700 cargos vagos. Ambos os cargos tem como requisito básico, o ensino superior completo em qualquer área e a carteira de habilitação na categoria b ou superior.


A validade dos últimos concursos para agente e escrivão da PF foi de apenas um mês e expirou no dia 29 de julho. Conforme informação da Divisão de Comunicação Social da PF não há intervalo mínimo de tempo para que a PF possa abrir novo concurso para cargo cuja validade da seleção anterior tenha sido encerrada.


Fonte: Folha Dirigida – (31/08/2010).

Nenhum comentário:

Postar um comentário