07 agosto 2010

O Preço da Escolha.





Quinta feira o celular já vibra. Mensagem - "Oi amiga, sumida. Saudades. Vamos sair hj? Me liga. Bjo".

Ligo - "Ei amiga. Tudo bom? Adoraria, mas não posso sair hoje. Preciso estudar." - pausa - "Não. O concurso ainda não tem data. Mas mesmo assim, tenho que estudar"- pausa - "Ta bom, combinamos. Bjo"

Tremeu de novo. Empolgação do outro lado da linha - "Oi Filhota. Você ta lembrando do churrasco do dia dos pais no clube sábado né ?"
Respondo - "Tô mas não posso ir pai. Amanhã de tarde tem encontro com o grupo de estudos. Mas posso encontrar com você a noite. Pode ser?"
A voz, agora com desânimo, diz - "Ta bom filha. Nos vemos de noite então"

Escolha. Como um verbo tão simples e direto, que pretende organizar as idéias, pode gerar tanta desordem nas minhas.

Mais uma vez, fiz uma escolha e com ela vieram responsabilidades. Não solicitei os acompanhamentos, mas são parte do pacote e não são vendidos separadamente. Sendo assim, como todos que buscam atingir uma meta, tive que me conformar.

Penso - "É esse o preço, então, soma o meu ai que eu vou pagar no débito.
Mas só tinha a opção credito parcelado. Assim sendo, segue a rotina; Trabalho, aula, estudo e treino.
Há quem diga, que tudo na vida são escolhas e para todas elas, há um preço. O problema é que essa escolha, requer um alto preço, que é pago em tempo, dinheiro e cansaço e, verdade seja dita, as vezes desgasta e pesa.

Quando vem aquela gripe então...xiii. Param os treinos e os estudos rendem pouco...ai é a vez dele. O Desânimo. Chega batendo na porta feito um martelo de Thor com seu som ensurdecedor. Pouco a pouco, a sala fica à meia-luz em pleno dia, as horas se arrastam e você se pega conversando com ela, a Dúvida. Ela agora, sentada ao pé da cama, devaneando e se delciando furtivamente com seus "Serás" e "E Se's". À espreita, os medos vem pé-antí-pé nos corredores, aproximado-se a cada suspiro.


Começa então o monólogo. Logo pensei na dificuldade da prova – Putz! CESPE, UNB... E se eu não passar na prova?”

Uma coisa, claro, puxou a outra. O monólogo virou diálogo; “E se eu passar na prova, mas não conseguir fazer a barra?  Também né...tô enrolando demais esses treinos."
"Ah mas com essa droga de gripe também, não dá né. Como vou correr se não consigo respirar. Vou desmaiar no meio da rua, isso sim."

Bom mas pelo menos as flexões dava pra eu fazer né? 
Dava nada, minha cabeça ta doendo dês de cedo, como é que eu abaixo com isso. Minha cabeça vai ficar no chão, e eu preciso dela no lugar. E nem me fale em saltar ou nadar. Da no mesmo." 

E segue o fio da meada – "Mas e se eu passar no concurso, onde vou morar? Será que as vagas da ANP vão ser pro norte também? Até que ia ser uma boa, mato la não falta. Se vier pra BH vou ficar carimbando passaporte ou fazendo balística, isso sim..."

De repente, o estalo. De volta ao monólogo, e à vida real, penso – Quer saber, ta na hora de parar de viajar e pensar no talvez. "
"Deixa eu fazer a minha parte hoje, para amanhã poder fazer uma escolha com base em uma certeza.” 

La vou eu novamente, vestir a camisa da minha escolha. Já escolhi o que quero ser.

SEREI UMA FORTE NA LINHA AVANÇADA.

Quanto aos medos, duvidas e demais espectadores, que se deleitavam com minhas inseguranças e momentos de fraqueza, podem ir. Se deram mal mais uma vez. Aqui estou eu, firme e ainda mais forte que antes.

Aprendo com meus erros para saborear os acertos e, com eles, minhas conquistas. 

You can sound the alarm, you can call out your guards.
You can fence in your yard, you can pull all the cards.
But I won't back down, oh no I won't back down, oh no.

Aos colegas que sabem bem o que isso quer dizer, ai vai um pouco do meu incentivo pra vocês.

Um comentário:

  1. Belas palavras!
    Eu passo por isso toda semana...
    Trabalhar, assistir às aulas, estudar e treinar sozinho não é pra qualquer um... tem hora que o desânimo bate total mesmo. E quando a gripe vem?! Nossa...

    É isso aí, força e fé!

    Vinicius

    ResponderExcluir