04 agosto 2010

Operação Floresta Viva II

A Polícia Federal em parceria com o IBAMA deflagrou no último dia 27/7 (terça), a Operação Floresta Viva II, que tem o objetivo de fiscalizar, reprimir, orientar, e prevenir na região do Baixo Acre o desmatamento ilegal, as queimadas, o tráfico ilícito de animais silvestres e o comércio ilegal de carne de caça.
Esta é a segunda fase da operação, que vem focando seus trabalhos, mais especificamente, nos municípios de Plácido de Castro (3º colocado no ranking do desmatamento acreano), Acrelândia, Capixaba, Acre, Rio Branco e os limites entre a capital e o município de Bujari.
Nesta Fase, que tem por objetivo principal a redução no desmate e das queimadas, estão sendo efetuadas barreiras policiais terrestres, visitas às áreas de queimadas e fiscalização através de sobrevôos de helicóptero nas áreas desmatadas apontadas por imagens e dados do PRODES Digital, captados por imagens de satélites disponibilizados pelo INPE e analisados pelos Peritos Criminais da Policia Federal.

A região Amazônica, por sua grande fonte de recursos naturais e sua diversidade biológica é sistemática e constantemente monitorada através de imagens de sensoriamento remoto e técnicas de Processamento Digital.
No cronograma desta segunda fase, que se estenderá por todo o verão amazônico, foram realizadas averiguação de desmates em ramais da região; plotagem de pontos de queimadas recentes; presença física dos órgãos de controle em mais de 10 pontos de desflorestamento dentro de áreas sob a responsabilidade da União; realização de fiscalizações rodoviárias nas estradas federais e estaduais da região; sobrevôos de helicóptero e exames aéreos in loco dos pontos desflorestados; localização de coordenadas de novos pontos de espaços recém-desmatados; oitivas dos proprietários dos lotes das áreas das queimadas e orientação em caráter educativo em relação aos crimes ambientais visando a prevenção dos delitos.

Todos os objetivos da segunda fase da operação foram atingidos e, o resultado da primeira semana de fiscalização foram quatro serrarias vistoriadas, 12 áreas autuadas, quatro motosserras apreendidas e um trator arrecadado, além do trabalho educativo de conscientização e humanização do trato dos colonos com o meio ambiente.
Desmatamento e queimadas podem ser enquadrados como crimes ambientais e podem resultar em penas de até quatro anos de prisão, o que mostra ainda mais o caráter preventivo das ações da Polícia Federal e do IBAMA dentro da Operação Floresta Viva II.

NOTA DA MARI:
Mais uma Operação da PF para prevenir o desmatamento de áreas da Amazônia Legal. Diferentemente da Arco de fogo, essa tem data para terminar, mas tem um fator que conta a seu favor que é a Educação Ambiental. Esse é um elemento indispensável às operações de desmatamento floresta, pois é praticamente impossível impedir que as pessoas que tem na supressão vegetal seu sustento parem de fazê-lo, ainda mais se tem algum pagando bem por fora.
Para se ter uma idéia, no Maranhão durante as apreensões de madeira ilegal, realizadas pelo IBAMA e a PF   em 2007, por várias vezes as mesmas pessoas eram presas 5/6 vezes em um prazo de 15 dias, cometendo o MESMO crime de Extração Ilegal de Madeira. A delegacia do Maranhão, na época, contava com apenas 1 viatura e 6 pessoas. Ela teve que ser desativada por questões de segurança, após um ataque realizado pelos trabalhadores das madeireiras locais. Isso mostra o quanto a PF precisa de contingente, especialmente nessas áreas. 
É duro ficar longe de casa, mas dada a realidade criminalística do Brasil, é extremamente necessário que a Policia Federal esteja presente, e em número aceitável, em todos os estados do Brasil. Ponto para o DG. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário