29 julho 2010

O Adeus

Quando você se for, o tempo ficará mais lento e os dias com menos cor. As pequenas alegrias, descuidadas, perderão um pouco da beleza.
Quando você chegar, as grandes novidades tomarão conta das poucas horas que os nossos dias terão e as alegrias, momentaneamente ludibriadas, não irão ter fim.
 Quando você tiver ido, os lugares ficarão desinteressantes e os finais de semana vazios e longos demais.
 Quando você estiver aqui, o espaço da cama será quase suficiente para embalar nosso sono e acalentar meus medos.
 Quando, novamente, o avião partir, os retratos e a poeira irão se misturar ás lembranças, que, a cada dia, irão aumentar a saudade.
 Quando você voltar, os dias irão encher sua casa de abraços e de pessoas nas intermináveis idas e vindas dos entes e amigos queridos, seu quarto será inundado de risos e suspiros e, com as horas, as borboletas que dançam continuamente em meu estômago parecerão aquietar-se.
 Nesses anos em que você esteve ao meu lado, muitas foram minhas alegrias e tristezas. Incondicionalmente, você, com muito carinho e cuidado, trouxe a cada uma delas a sua atenção, contendo cada lágrima de dor e de alegria com seus sorrisos doces e infinitos “... vai dar tudo certo”.
 Na tua ausência, as minhas conquistas irão adotar diversos, e escuros, tons de cinza, já que terão de se contentar com a lembrança de como seu rosto se iluminava quando as boas notícias eram trazidas à sua atenção. Minhas tristezas embriagadas, por várias vezes irão procurar tal alento nos braços, e abraços, dos verdadeiros amigos dos quais disponho. Mas, por inúmeras vezes, irão fracassar solenemente, pois não terão o calor que encontro junto a teu peito.
 Sei que a dor em meu peito, feito criança desejosa, será insistente, oscilando entre escalas de intensidade, do despertar ao adormecer.
 Mas este coração que voz fala não estará inundado de tristeza.
Como poderia? Minha outra metade está feliz e, a cada dia e a cada momento, se realiza e se fortalece.
 No mais? Não sei! Não sei do tempo, não sei da vida, apenas seguirei observando o pêndulo em que transformei meu coração, que por ora, permanece dividido, embriagado e atordoado com esse vai e vem, entre as tantas alegrias e a imensa saudade.


5 comentários:

  1. Uma confissão tocante, sincera, honesta, e verdadeira.
    Em ceertas horas parece que é digida a um pai, em outros momentos a um amor, ou a um filho...; no fundo, não importa a quem dirige essas palavras pois mostram a percepção que tem sobre os sentimentos que todos temos mas que, alguns, deixam calados no fundo de seus corações.

    Lindo texto.

    Abrçs.

    PS.: Palavras de verificação? Para que, irá vir algum vendedor bater a sua porta?
    :)

    A que caiu pra mim escrever agora: amant

    ResponderExcluir
  2. Oi Sylvio. Muito obrigada, que bom que gostou.
    Às vezes a dor em nosso peito teima em ficar só,então utiliza-se das palavras para fazer coro.

    O texto é dirigido a um amor na verdade,que agora está beem longe de casa. Mas acho que em todo relacionamento longo, essas identidades acabam mesmo se confundindo.Com o passar do tempo, somos todas meio mães protetoras e filhas que buscam a proteção dos nossos amados, não é mesmo.

    Realmente é uma pena que as pessoas tenham medo de viver o hoje. A gente deve se entregar por inteiro, para amores e amizades, meio coração não vale.
    Particularmente prefiro as lágrimas da derrota à amargura da covardia.

    Ps: As palavras de verificação são controle do próbrio blogspot. O fazem para evitar spam, eu creio.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Querida Mari...

    Agora sim, muita coisa passa a fazer sentido.
    Você nunca me falou... Mas entendo, claro.
    : )

    "Deixar tudo em pratos limpos" - você quer dizer... contar tudo o que se passa, doa a quem doer?

    Estou sentindo muita falta das minhas amizades lá da minha cidade. Uma vez em que eu voltei lá dormi na casa da minha melhor amiga. Dormi nada, passei a noite porque a gente ficou conversando até as 6h da manhã... e os assuntos não acabaram. Ah, como eu sinto falta dessas coisas, Mari.

    Beijo, amiga.
    Bom conversar com você.

    ResponderExcluir
  4. Pois é lindona.
    É exatamente isso. O Norte é mto longe para quem mora em Minas...rsrsrs.

    Na verdade não é contar TUDO. Tem coisa que por mais inocente que seja, não da para explicar. Me refiro às coisas do cotidiano como uma festa que você quer ir e ele não, ou um telefonema que gera ciúmes. Essas coisas vale a pena colocar em pratos limpos e, ai sim, doa a quem doer.

    No meu caso as coisas se complicaram um pouco no meio do caminho. Como disse acima, o norte é mto longe daqui.

    Mas faz parte, as vezes o ciúme é gostoso, mas tudo em excesso cansa e desgasta.

    No meu caso, já tive várias crises de ciúme por conta de uma avulsa que passou pela vida dele num passado remoto, e de vez em quando mandava uns recadinhos nada a ver pra ele. Depois que pegou a funcional então...nem te conto. Era toda hora.
    Ele já sabia que eu ia achar ruim então, por mais que não correspondesse a efusividade dela, ele tentava esconder. Só que eu acabava descobrindo das formas mais sem querer do mundo e, claro, ficava possessa, não tanto pelos recados, mas por ele ter tentado esconder.

    É claro que eu ficava no veneno pelos recados né hahaha, mas eu sabia que os recados até podiam ser ousados demais, mas ele nada tinha a ver com isso. Ele não tem culpa de receber recados não é.
    Foi ai que eu disse pra ele que não importava a minha reação, que eu não gostar dele receber recados é um direito meu, mas é problema meu tb. Ele não tem nada a ver com isso, desde que não alimentasse nenhuma expectativa da parte dela, coisa que sei que nunca fez.

    Por tanto, ele não precisa me contar quando recebe, mas também não precisa esconder que acontece entende.

    Te entendo gatona, essas coisas de coração só um ombro amigo mesmo para compreender. Não sei o que faria se ficasse sem os meus tantos e queridos ombros amigos. Acho que me perderia de mim mesma rsrsrs.

    Mas as amizades verdadeiras são essas, não tem tempo nem distância que as separam.

    Me manda depois um e-mail com seu e-mail...temos tanto para conversar rsrsrs.

    Bjaum linda!

    ResponderExcluir
  5. Ainda lembro o que passou
    Eu, você, em qualquer lugar
    Dizendo:
    "Aonde você for eu vou"

    E quando eu perguntei
    Ouvi você dizer
    Que eu era tudo
    O que você sempre quis
    Mesmo triste eu tava feliz
    E acabei acreditando
    Em ilusões...

    Eu nem pensava em ter
    Que esquecer você
    Agora vem você dizer:
    "Amor, eu errei com você
    E só assim pude entender
    Que o grande mal que eu fiz
    Foi a mim mesmo"...

    Vem você dizer:
    "Amor, eu não pude evitar"
    E eu te dizendo:
    "Liga o som,
    E apaga a luz"

    : (

    Valeu, bonita, obrigada pela força.

    ResponderExcluir