01 julho 2010

Operação São Francisco.

CURITIBA/PR - A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje, 30 de junho, a operação “São Francisco” para repressão de crimes ambientais, notadamente maus-tratos de animais, tráfico internacional de espécies das faunas nativa e exótica, além de outros crimes conexos.

A Operação São Francisco é resultado de oito meses de investigação da Polícia Federal (PF) e desarticulou a principal quadrilha de tráfico de animais do Brasil para a Europa, também responsável pela receptação de animais de várias partes do mundo. Foram 205 policiais envolvidos.

Depois de cumprir 29 mandados de prisão expedidos pela Vara Ambiental da Justiça Federal de Curitiba e deter outras seis pessoas em flagrante, na manhã de ontem, policiais federais apreenderam mais de 10 mil animais silvestres, sobretudo, aves da fauna brasileira, mantidos ilegalmente em cativeiros no Paraná, São Paulo, Santa Catarina e na região metropolitana de Amsterdam, na Holanda, com apoio da Interpol.

Os animais vivos e os ovos serão encaminhados para centros de triagem do IBAMA. Entre os exemplares, aqueles vindos do exterior devem ser repatriados. O grupo vendia os animais por meio de leilões, e num deles chegou a faturar R$ 500 mil. Só uma arara azul custava R$ 150 mil.


Foto 1: Ave nascida no momento da apreensão.

Ao todo, foram expedidos 32 mandados de prisão e 42 de busca e apreensão, que serão cumpridos em residências, empresas e repartições públicas, nas cidades de Curitiba, São José dos Pinhais, Londrina, Maringá, Foz do Iguaçu, todas no Paraná, em Florianópolis/SC, e em São Paulo, nas cidades de Ribeirão Preto, Araraquara, Piracicaba, Campinas, Capivari, além da capital paulista. Pelo menos 29 pessoas já haviam sido presas até o fim da tarde de ontem.

O líder da quadrilha, Márcio Rodrigues, foi preso em São José dos Pinhais. Ele assumiu o comando da organização criminosa depois que seu irmão foi preso durante a Operação Oxóssi, também da PF, em 2008. Márcio é proprietário de uma chácara no bairro Borda do Campo onde realizava a cada 15 dias um leilão de animais de espécies exóticas, algumas até criadas através do cruzamento entre espécies diferentes. O lucro mínimo em cada leilão era de R$ 500 mil

Desde 2005, de acordo com o delegado Rubens Lopes da Silva, chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais da PF, a quadrilha construiu um império sob comando dele.

Os animais expostos na chácara eram bem tratados, já que eram valiosos (uma Arara Azul, no mercado negro, chega a custar R$150 mil). Contudo, no transporte feito através de “mulas”, de cada dez animais, apenas um sobrevivia. No Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, uma dessas pessoas que transportava os ovos dos animais em uma blusa foi presa.

Ainda foi detido na operação o comandante do policiamento no interior da PM, coronel Sérgio Filardo, acusado de usar a influência para alterar dados de processos contra integrantes da quadrilha de Márcio.

Também foram presos o diretor de controle de recursos ambientais do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), órgão de fiscalização vinculado à Secretaria de Estado do Meio Ambiente; Harry Teles, e o diretor de fiscalização do IAP, Jackson Luiz Vosgerau, acusados de fazer “vistas grossas” à ação criminosa. Eles facilitariam a atividade ilegal.

Outro funcionário público detido foi Sérgio Busato, assessor de um conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, que atuaria como criador amador e comprava aves de Márcio. “Ainda estamos delimitando a participação de todos os funcionários públicos envolvidos”, explica o delegado.

Além das prisões, foram decretados ainda pela Vara especializada da Justiça Federal, o seqüestro dos bens de uma empresa e de uma pessoa física e de mandados de prisão e de busca e apreensão para cumprimento no exterior, com apoio da INTERPOL.

Para “lavar” o dinheiro movimentado com a venda dos animais, a quadrilha utilizava duas empresas, uma delas sob comando das irmãs de Márcio, além de bicheiros que também foram presos. A organização também adulterava as anilhas de certificação de origem dos animais, concedida pelo IBAMA.

Os animais encontrados vivos em cativeiro serão apreendidos pelo IBAMA e logo encaminhados para um centro de triagem de animais. Havendo viabilidade técnica, serão devolvidos para seus países de origem os animais trazidos ilegalmente e repatriados os exemplares levados clandestinamente do Brasil.

Durante as investigações, um estrangeiro foi preso em flagrante quando chegava ao Brasil – no aeroporto de Guarulhos/SP - trazendo 64 ovos e exemplares de algumas espécies comercializadas pela quadrilha.

Foto 2: Colete com 64 ovos.

Além dos crimes de maus-tratos de animais, tráfico internacional de espécies das faunas nativa e exótica, os envolvidos também responderão por receptação, formação de quadrilha, falsificação de sinais públicos, tráfico de influência, crimes contra a ordem tributária e de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores. O criadouro ficava numa chácara em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Nada disto era novidade para os órgãos ambientais disse o e coordenador da operação, o policial federal Rubens Lopes da Silva.

SÃO PAULO - A operação São Francisco, da Polícia Federal (PF), apreendeu, na manhã desta quarta-feira, 389 aves exóticas, em duas casas de Ribeirão Preto, a 319 km de São Paulo. Duas pessoas foram presas.

Os moradores das duas casas foram detidos por: receptação, formação de quadrilha, uso de documento falso, maus tratos e importação irregular de animais. Um dos acusados foi multado em R$ 22 mil e o outro, em R$ 60 mil.

Foto 3: Filhotes de aves mortas e as gaiolas que os transportavam.

Das aves apreendidas, 85 foram encaminhadas para o Bosque Municipal de Ribeirão Preto e 304 ficaram na casa de um morador, determinado como fiel depositário, devido às boas condições dos pássaros, até que o destino deles seja decidido pelo Ibama.

Em Araras, a 173 Km de São Paulo, a operação aconteceu em um condomínio de chácaras. Os agentes e um delegado da Polícia Federal (PF) de Piracicaba chegaram de manhã a uma das propriedades, acompanhados de funcionários do Ibama. No local, os agentes usaram gaiolas para recolher 150 aves exóticas.

Esse foi um dos 42 mandados de busca e apreensão cumpridos pela PF em cidades do Paraná, Santa Catarina e São Paulo. No interior do estado, a operação São Francisco envolveu agentes das regionais de Araraquara, Campinas, Piracicaba e Ribeirão Preto.

Em uma chácara da zona rural de Porto Ferreira, a fiscalização encontrou cerca de 500 aves exóticas. Segundo um vizinho, havia pássaros de várias espécies. As aves apreendidas continuarão nos viveiros da chácara, por causa da dificuldade de transporte.

O dono dos pássaros será o fiel depositário, ou seja, fica responsável pela guarda dos animais até a conclusão do inquérito.

Em uma outra chácara, foram apreendidos três papagaios, que foram levados para um centro de triagem do Ibama. Dois aposentados foram detidos e levados para prestar depoimento na delegacia da PF em Araraquara.

Em Pirassununga também ocorreram apreensões, mas o balanço ainda não foi divulgado.

Fonte: Superintendência Regional da PF em Curitiba, Jornal do Brasil,

O Globo e EPTV - Emissoras Pioneiras de Televisão


Info da Mari:

O tráfico de animais e plantas é um velho problema do Brasil. Espécimes da flora e da fauna silvestre, bem como produtos e subprodutos destes tem sido alvo de várias organizações criminosas em todo pais.

São aves, répteis, anfíbios, mamíferos, peixes, sementes, flores, frutos e etc. Nenhum escapou dessa modalidade de tráfico. Não importa se são ovos, filhotes ou adultos, nesse mercado os fins justificam os meios.

Os motivos são muitos, estudos científicos, domesticação (xerimbabo), ornamentação, alimentação etc. Pouco importa o final que levará os espécimes, o que importa é o preço.

Foto 4: Material com subprodutos da fauna brasileira apreendidos pela PF.

Para se ter uma idéia do valor que circula nesse mercado, tomemos como exemplo a arara comum. Para ser vendida no Brasil ela precisa ter a licença e anilha do IBAMA, isso faz com que uma arara, chegue a custar R$ 5.000,00. Apesar de ser uma medida para evitar que todos queiram uma ave tão bela e rara em casa, favorece a busca por meios ilícitos para se conseguir esse exemplar. Fora do país, espécies endêmicas (exclusivas) do Brasil, como no caso da arara, chegam a custar R$ 25.000,00 (ovos), R$ 50.000,00 (filhotes) e até R$ 150.000,00 (adultos) no exterior.

Coisas como ovos, sementes, penas, filhotes e mudas são de fácil transporte e difícil detecção, o que explica a dificuldade de se capturar os responsáveis por esse tipo de crime. Os traficantes levam as espécies para fora dos Brasil através das rodovias, ferrovias, de barco e de avião.

No Brasil o IBAMA, as Policias: Federal, Rodoviária Federal, Florestal e Ambiental, juntamente ao Renctas tem feito um excelente trabalho nas investigações e apreensões, o que tem coibido e dificultado a ação destes grupos criminosos. Para efeitos de Denúncia a Renctas e o IBAMA trabalham juntos na divulgação através de palestras e campanhas publicitárias.

Se vir algum suspeito ou souber de alguma informação que possa ser útil para combater esse ato de agressão contra a nossa fauna, faça sua parte denunciando através do link:

http://www.renctas.org.br/pt/informese/denuncie.asp

Fundada em 1999, a Renctas - Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, que combate o tráfico de animais silvestres. Sediada em Brasília-DF, desenvolve suas ações em todo o Brasil, por meio de parcerias com a iniciativa privada, o poder público e o terceiro setor produzindo campanhas e relatórios anuais sobre o tráfico de animais.

Nota da Mari:

Depois as pessoas ainda me perguntam por que quero ser Perita da PF. Olha vem essa foto com o filhotinho de passarinho todo peladinho. Não existe uma imagem que expressa mais incapacidade de se defender da crueldade humana. Chega a me doer.

Um dia, estarei na linha de frente de uma operação dessas, só para mostrar aos criminosos desumanos, que mesmo que esses pequeninos animais não possam se defender pó conta própria, nesse país eles têm quem o faça por eles.

7 comentários:

  1. Alem de maus-tratos e mortes,agora estão fazendo leilão de animais silvestres?. O "ser humano" é capaz das maiores atrocidades para alcançar seus interesses.

    Eu fico indignado é saber que pessoas que tinham que defendê-los e combater esses crimes,estão indo para o outro lado. Funcionários do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e um coronel da PM e ex-comandante da FORÇA VERDE fazendo parte da quadrilha,sã piores que os bandidos.

    Me conforta saber que a PF sempre está um passo na frente da bandidagem e além de conseguir prender esses criminosos,salvaram a vida de animais da fauna brasileira.

    Com certeza você estará na linha de frente e se precisar te dou cobertura.

    Grande abraço

    ps: agora que notei que mudou as cores do blog haha,legal.

    ResponderExcluir
  2. Pois é caro Bruno. Esses corruptos não tem mesmo escrúpulos, ao invés de fazer o trabalho para o qual estudaram e passaram em um concurso, visam o lucro e fazem o posto do deveriam fazer.

    Ainda bem que existem pessoas como nós que nos importamos e estamos dispostos a dedicar a vida por eles.

    Se tudo der certo estaremos sim, na linha de frente, e será uma honra ter você por perto.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. corruptos malditos, indignada ao ver as imagens de seres indefesos mortos, td por criminosos que querem ter status a custa de qlqr coisa, as imagens dos passaros mortos me chocarao mto, olha que os responsaveis paguem por cada animalzinho que eles matarao... uma vergonha isso, imagina do que esses homens são capazes de fazer... bando de criminosos sem coração, animais tbm sentem dor, povo sem conciencia, td por grana, status , um ser desse porte tem familia? de desgosto... amo animais amo a vida, grana se conquista estudando e trabalhando. desse dinheiro sujo cuspo em cima.
    agradeço de td coração a td equipe que desvendou essa quadrilha. e que a lei seja cumprida, independente de quem quer q seja...

    ResponderExcluir
  4. penso que deveria ter apoio para mais criadores,dentro da lei.porque se fosse facil criar silvestre dentro da lei,muitos criariam e o preço baixaria,alem de parar com as mortes de tantas aves.sou extremamente contra o maltrato aos animais,e a criaçao de aves silvestre fora da lei,mas que deveria ser facilitada,isto sim.conheço muita gente que pega na natureza ou compra ilegal por nao haver opçao.quanto mais proibir melhor para eles,fica mais dificil adquirir uma ave e o preço aumenta.e se forem pego, o juiz solta em poucos dias ou horas.a verdade e triste e doida,fazer o que.....

    ResponderExcluir
  5. que horror!isso nao se faz!comentário dajoana.

    ResponderExcluir
  6. so contra o contra bando mais o custo de um bicho deste por criador autorizado pelo ibama Ex papagaio é de R$ 2000,00 a R$ 6000,00 reais fora da realidade, isso tambem faz as pessoa procurar o contrabando , na realidade uma pessoa do bem não compra de um contrabando e sim de outra pessoa que comprou

    ResponderExcluir