15 maio 2010

O homem por trás da Farda.


Polícia é a denominação das corporações governamentais incumbidas da aplicação de determinadas leis destinadas a garantir a segurança de uma coletividade, a ordem pública e a prevenção e elucidação de crimes.
Presente em todos os países, com funções de prevenção e repressão ao crime e manutenção da ordem pública, através do uso legítimo da força se necessário, fazendo respeitar e cumprir as leis.

Porém, há muito que se houve falar de corrupção dentro destes órgãos, em especial, as Polícias Militares e Civis. Bem sabemos que a mídia brasileira tem sua dose de exagero e distorção de alguns fatos, mas as notícias desta semana pouco precisaram de algum desses artifícios.

A reportagem da "A tropa está fora de controle" da revista ISTOÉ, que toma a morte dos Motoboys de SP como foco de um texto extenso, não fala de corrupção. Fala de tortura.
Tortura vinda das mãos que deveriam proteger.

Muitos alegam que os baixos salários as longas e cansativas horas de trabalho levam muitos à exaustão e que muitas vezes esse cansaço físico e psicológico pode sim, levar homens de bem a fazer coisas impensadas. Porém, nenhum desses argumentos justifica as noticias de tortura e abuso citadas na reportagem.

Atitudes truculentas, abuso de poder, tortura e outras são parte do histórico das policias de todos os estados e isso não reflete só falta de estrutura e organização. Isso revela a falta de preparo dos policiais. Colocar uma arma e um distintivo nas mãos de um policial psicológicamente despreparado é pedir para esse tipo de coisa acontecer.

Não é de hoje que as estatísticas mostram que a maioria da população brasileira teme a policia tanto quanto teme aos bandidos. Isso se deve a essa turma despeparada que esta na ruas diariamente e, querendo ou não,leva o nome de todas as corporações.
Para quem sofre uma agressão injusta vinda de um homem de farda, o que fica não é a impressão de que AQUELE sujeito era mau, que ele era uma exceção. O que fica é a certeza de que a POLICIA é má. E isso afeta todas as corporações, umas mais que outras, mas faz com que todas sejam mau vistas pela sociedade.

Não há como a policia fazer segurança sem a sociedade, como também não há segurança sem a policia.
A policia tem que ser reestruturada, de modo que todas as suas subdivisões, independentemente do órgão, estado ou governo ao qual são subordinados, mantenham uma conduta legal e digna.

Concordo que não da pra abordar todo mundo como se fosse inocente, mas não há necessidade de agredir fisicamente ou verbalmente o indivíduo, nem antes e nem depois, que este seja identificado como criminoso. O que tem que ser feito é apertar nas leis e garantir que bandido algum, independente da cor do colarinho, seja libertado, caso contrário estamos brincando de pega-pega.

Leia a reportagem completa no site da FENAPEF. http://www.fenapef.org.br/fenapef/noticia/index/27979

Nenhum comentário:

Postar um comentário